Ads Top

O Vôo Dos Mortos - Explicando a cena do avião

Atendendo a pedidos, vamos tentar explicar o que acontece em Escândalo na Belgrávia, mais especificamente, na cena do avião onde a trama se revela para Sherlock. Em caso de dúvidas, deixe um comentário!

Nos comentários em DVD, Steven Moffat diz que a ideia veio de uma matéria que ele leu sobre uma cena cortada do filme de James Bond, "A Serviço Secreto de Sua Majestade", onde haveria um trem cheio de pessoas mortas e Q diria "Você sempre pode conseguir corpos em algum lugar". (Veja mais curiosidades sobre o episódio aqui

Mas para quê isso? Bom, vamos voltar lá pro início do episódio, quando Sherlock e John estão presos na armadilha de Moriarty, que recebe a ligação que salvaria suas vidas. Moriarty diz "Se você tem o que diz que tem eu te deixarei rica. Se não, eu arrancarei sua pele."

Depois descobrimos que ele estava falando com Irene Adler, uma dominatrix que atende a vários homens poderosos. O que Irene tinha que salvou a vida de Sherlock? Uma informação. Irene a conseguiu com um integrane do governo e tirara uma foto da evidência. Mas ela precisava que alguém decifrasse os números da foto, para a informação valer alguma coisa. Então, ela e Moriarty precisavam de Sherlock.

Por sua relação com gente poderosa, Irene mantinha o seu celular em alta segurança e tinha a intenção de chantagear o governo em troca de proteção; Ela possuía informações tanto do governo quanto de criminosos como Moriarty. O plano de Irene era, após vender a informação para Moriarty - que ajudaria terroristas a derrubar um avião - entregar uma lista de exigências ao governo britânico, que garantiriam sua segurança de algum atentado.


Agora que sabemos o plano de Irene, vamos falar da informação que ela tinha. Mas, para isso, precisamos perceber as pistas que o próprio episódio nos deu e que Sherlock entendeu quando entrou no avião.

Quando estava sem casos interessantes, diversas pessoas procuraram  Sherlock. Dentre elas, um homem cujas cinzas da tia morta haviam sumido e duas crianças que não podiam ver o corpo do avô. Na cena do crime de campo, Sherlock também percebe que o homem morto deveria estar em um avião que ele nunca esteve. Onde estavam essas pessoas mortas? E por que aquele bilhete de avião estava ali?




Enquanto isso, Irene recebia informações sobre Sherlock, quem ela deveria seduzir para colocar seu plano em prática, com esperanças de que ele conseguisse decifrar a informação do ministro. Quando ele chega, ela já o esperava. A CIA, sabendo do conteúdo do celular da Irene, também aparece por lá. Sherlock percebe que lá há muito mais do que as fotos que ele tinha sido contratado para recuperar.



Em Baker Street, Mycroft fala ao celular a respeito de um Bond Air. Na ocasião, Sherlock não dá bola. está muito mais interessado em descobrir o porquê de Mycroft não querer mais que ele assuma o caso. À essa altura, Mycroft já sabia que Sherlock não conseguiria o celular e que poderia ser uma presa fácil para Irene se não se afastasse.


O plano era o seguinte:

Moriarty estava financiando um ataque terrorista, que explodiria um avião com civis britânicos. Irene dormiu com um ministro que contou à ela que o governo sabia dos planos terroristas e tinha a intenção de impedi-los com um avião repleto de mortos - aqueles que sumiram - para que o avião explodisse mas não matasse ninguém.

Irene vendeu essa informação para Moriarty e ambos precisavam de Sherlock vivo para decifrar os números e descobrir qual era o avião. 

Mycroft fez Sherlock ir até Irene com a intenção que ele conseguisse o celular dela e tudo mais que ela tivesse. A CIA também sabia das informações privilegiadas que ela tinha.

Com o risco que havia de Sherlock decifrar o mistério para Irene, seguindo exatamente os passos que Moriarty precisava, Mycroft pedira a Sherlock para sair do caso, sem contar a verdade a ele.

Ou seja, a única pessoa que não sabia de nada era Sherlock. E nós.





Então, Irene finge sua morte para descobrir se conseguiu fazer com que Sherlock estivesse apaixonado por ela. Então reaparece, e percebe algum interesse da parte dele. É a deixa para o seu próximo movimento: vai tentar proteção na casa de Sherlock e pede pra que ele finalmente decifre o código. 

Querendo impressioná-la, Sherlock decifra em segundos, sem saber, o dia, horário do o vôo dos mortos - aquele que seria usado para enganar os terroristas e não matar nenhum cidadão.






Na mesma hora, Irene passa a informação para Moriarty.





Sherlock então se lembra do que ouviu o irmão dizer sobre o "Bond Air":






E descobre qual o avião.

Moriarty, então, manda uma mensagem para Mycroft mostrando que descobrira o plano do governo para enganá-los.






É então que Mycroft leva Sherlock para o avião, para explicar a besteira que ele fez. Chegamos à cena do avião.

Ele conta a Sherlock o que já explicamos aqui: 

Que aquele voo estava pronto para decolar no dia seguinte, cheio de corpos desaparecidos, a forma que Mycroft havia conseguido pensar de deixar com que os terroristas explodissem o avião sem matar ninguém.

Mas, como Sherlock havia continuado no caso e se deixado seduzir por Irene, ele a ajudou a contar para os terroristas sobre o plano do governo. Ou seja, o vôo dos aviões não decolaria e agora os terroristas poderiam explodir outro avião.

Enquanto isso, Irene já estava lá, pois havia procurado Mycroft com uma lista de exigências para sua proteção. Como ninguém havia conseguido ainda decifrar o código de segurança do seu celular, Irene possuía informações valiosas para governo e criminosos, e agora que tinha conseguido chantagear o governo, não precisaria mais fazer acordo com os criminosos por dinheiro. Estaria protegida.






Pensativo e derrotado, Sherlock fica prestando atenção à conversa dos dois. Até que percebe que faltava ainda uma tentativa para descobrir a senha. Sherlock sabia que Irene havia sim, gostado dele e então se dá conta de que o grande erro dela foi ter deixado seus sentimentos a levar a fazer uma brincadeira inocente e colocar sua senha como "I AM SHERlocked".








Decifrado o código, agora o governo teria acesso às informações de Irene, que não tinha nenhum direito à proteção.




Mas Sherlock sabia que sua vida estava risco ao ter deixado que o governo a pegasse com informações dos terroristas, e retribuindo o favor no início do episódio, ele a salva do grupo terrorista.


E guarda sua lembrança para sempre.

12 comentários:

  1. Muito legal o post! Sozinha, só consegui chegar a metade desse raciocínio. Muito legal a ideia de vocês de explicar os detalhes pra gente. :D

    ResponderExcluir
  2. Agora sim eu entendi! kkk Já vi umas três vezes mas eu nunca chegava nesse raciocínio, sempre faltava alguma coisa que eu não prestava atenção. Nessa cena eu sempre achei estranho a situação, mas agora tudo faz sentido :)

    ResponderExcluir
  3. Poxa, eu já sabia de tudo, HUAHUAHUA, mas muito bem explicadinho, parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Caramba gente tbm consegui chegar a isso assistindo na primeira, é só ir prestando atenção desde o principio. Muito legal da parte de vcs explicarem assim, consigui entender tudo mas tenho certeza que seria um poucio mais dificil pra mim elaborar um texto assim =D

    ResponderExcluir
  5. alguém explica sobre o homem do porta-mala que devia ter morrido no acidente de avião? essa é a unica coisa que ainda não fez sentido pra mim...

    ResponderExcluir
  6. "alguém explica sobre o homem do porta-mala que devia ter morrido no acidente de avião? essa é a unica coisa que ainda não fez sentido pra mim..."

    Verdade, também não consegui entender isso.

    ResponderExcluir
  7. Não houve acidente de avião. O avião é que estava cheio de mortos. Quando o avião fosse atacado por terroristas, não ia matar ninguém, porque o governo encheu aquele avião com pessoas já mortas.

    O homem do porta-malas é o homem que morreu com o boomerang e o ticket de avião significa que ele seria um dos mortos que o governo plantaria no avião para parecer um passageiro comum.

    ResponderExcluir
  8. Tem uma coisa que eu ainda não entendi, será que vcs podem me ajudar? Vamos lá. O Moriarty estava financiando o ataque terrorista, e o ministro disse pra Irene q o governo descobriu sobre os planos. Mas se eram os terroristas q iriam explodir o avião, e o governo iria intervir pra impedir, porque eles (os terroristas) queriam decifrar o código pra descobrir qual avião estaria com os mortos? Não deveria ser o contrário? Tipo, primeiro o governo tem q saber exatamente qual o vôo que iria ser explodido pra só então substituí-lo pelo avião com os mortos. Não sei se consegui elaborar a pergunta certa pra me fazer entender rsrs.

    PS: As fotos do post não estão carregando :(

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.