Os episódios da quarta temporada de Sherlock NÃO terão 2 horas de duração. Foi um erro de inter...

Os episódios da quarta temporada de Sherlock NÃO terão 2 horas de duração.

Foi um erro de interpretação de alguns sites, já que o canal MASTERPIECE | PBS divulgou em sua grade que cada ep teria 120 minutos.

O problema é que eles costumam picotar os episódios de Sherlock para incluir comerciais e outros vídeos. Dessa vez, eles esticaram o tempo da programação para poder caber tudo sem cortar os episódios. Já no canal britânico BBC One, Sherlock é transmitida sem interferências e permanece no tempo de 90 minutos.


Durante a Comic Con Experience deste ano, o selo Planet/Panini Manga, braço da editora Panini, an...


Durante a Comic Con Experience deste ano, o selo Planet/Panini Manga, braço da editora Panini, anunciou ter adquirido os direitos de publicação do aguardado mangá de Sherlock, assinado por Jay e lançado no Japão em 2012 e no Reino Unido e Estados Unidos em 2015.

A primeira edição do mangá seguia o roteiro do primeiro episódio de Sherlock, Um Estudo em Rosa, e foi publicada em 5 capítulos. A edição do segundo episódio, O Banqueiro Cego, está prevista para ser lançada nos Estados Unidos e Reino Unido em fevereiro de 2017.

Já no Brasil, a publicação será diferente: a editora irá publicar os mangás de cada episódio em volumes únicos. O primeiro está previsto para o início de 2017.

Veja na íntegra o que a editora Beth Kodama publicou em sua página no Facebook:

Sherlock, de Jay. 
Série de one-shots em que cada episódio do seriado de TV é adaptado em um volume. Por enquanto temos 3 volumes lançados no Japão que correspondem exatamente à primeira temporada do seriado. Lembrando que é muito mais parecido com o seriado do que com a obra original do Conan Doyle. Por isso, o primeiro volume é "Um estudo em pink" e não "Um estudo em vermelho". O traço de Jay está bem fiel também.
Provável lançamento: primeiro semestre de 2017.

A edição em inglês  de A Study in Pink, em volume único, está disponível para pré-venda no site da Livraria Cultura. Saiba mais sobre essa edição aqui.

Anteriormente, nós fizemos uma tradução para o português dos dois primeiros capítulos, direto do japonês e você pode ler online ou baixar aqui

Leia mais:

Sherlock virou mangá


A revista Crime Scene publica nesta terça sua edição com a matéria feita com o elenco e produção ...


A revista Crime Scene publica nesta terça sua edição com a matéria feita com o elenco e produção de Sherlock.

Como ainda não tivemos acesso à matéria completa, colocamos aqui alguns quotes que vimos aqui da entrevista feita com Benedict Cumberbatch, Martin Freeman, Amanda Abbington, Mark Gatiss, Louise Brealey, Steven Moffat e Sue Vertue, para matar a ansiedade sobre o que vem por aí.

Atualização, 06/12: As imagens com a matéria completa podem ser lidas aqui.  Não achamos necessário traduzi-la, já que tudo o que elenco e produção tinham a dizer, nós já publicamos nos quotes.

Os quotes estão divididos de acordo com os entrevistados:


Essa temporada é particularmente épica. No final da terceira temporada, em Seu Último Juramento, Sherlock aparentemente está indo para o exílio. Ele matou um homem terrível, mas o que vai acontecer agora? O episódio especial acontece durante essa brecha de 5 minutos, mas nós já sabíamos para onde estávamos indo porque Mary está grávida, o que muda tudo. O título não oficial do primeiro episódio é "Os três Watsons" porque o bebê muda a dinâmica, não de uma forma fofa, mas por colocar os personagens em um lugar diferente.

Começou a chover enquanto estávamos filmando Seu Último Juramento (T3E3), então eu e Steven nos abrigamos no ônibus executivo da produção e começamos a lançar umas ideias. Na hora em que saímos do ônibus, já tínhamos definido toda a trama desta temporada. Nós somos como passarinhos, pegando pedacinhos de histórias diferentes do Conan Doyle. "Ah, aquela parte podia se encaixar aqui". Fazer [a série] a cada dois anos e meio significa que a história precisa estar em uma larga escala. Não pode ser só a historinha da semana. Tem mesmo que ser algo maior.

Como enormes fãs de Sherlock Holmes, Steven e eu achamos incrível termos o privilégio de mantermos as chaves de Baker Street por um tempo e por fazermos um programa que mexeu com tantas emoções. Nós nunca poderíamos ter previsto esta dimensão. Desde o piloto, nós queríamos ter orgulho da série, mas o alcance internacional é de fundir a mente e um pouco aterrorizante.

Na primeira temporada nós gravamos com Benedict e Martin no meio da Trafalgar Square sem nenhuma proteção. Não podemos fazer isso agora!

-- Mark Gatiss


O programa se chama Sherlock. O programa não tem o nome de mais ninguém, então tipo, na próxima vez todos nós provavelmente estaremos mortos e vai ser só o Ben. Porque, definitivamente, ele é a única coisa imprescindível.

O meu sentimento é o de que se você gosta de algo, então deixe que venha à tona e dê uma chance. Mas pare de fazer quando você não estiver mais gostando. Mas no momento, eu estou curtindo muito.

-- Martin Freeman



Não posso falar sobre o efeito que a bebê tem na relação entre Mary e John porque há um impacto, mas Sherlock reage de uma forma bem Sherlockiana. De qualquer forma, Sherlock teria que reagir, já que é isso que ele faz.

[Sherlock está] encrencado e desafiado, no auge e no fundo do poço. Então há enormes altos e enormes baixos, e você vai descobrir quem ele é de verdade.

Eu amo [a série] mais que nunca. Eu também amo o personagem mais agora porque pude experimentar interpretar outros lados dele.

Tenho orgulho do que nós fizemos. Mas sim, claro, a série ainda mantém um fascínio, se não eu não voltaria a fazer mais. Tem muita coisa acontecendo na minha vida no momento, ainda bem. Tenho muita sorte como ator. Então não tem a ver com ter um emprego, tem a ver com ter vontade de fazer, e eu tenho muita sorte de estar nessa posição. E ainda ter um personagem como esse, que eu ainda quero mesmo interpretar.

[Sherlock] tem sido um prazer para nós [Benedict e Martin], como atores. Nós sempre temos aquele momento em que lemos o roteiro e telefonamos um pro outro. Nós temos aquele momento em comum entre nós dois, em que ficamos "Oh meu deus, isso é muito empolgante! Temos tanta sorte de fazer isso!".

-- Benedict Cumberbatch


A série é sobre Sherlock e John, e eu não quero que Mary se torne a terceira roda. Eu quero que o programa seja sobre eles, mesmo. E eu acho que os fãs também querem. Se se chamasse "Mary", aí seria outra coisa. Seria um spin-off sobre a vida dela como uma assassina e como ela entrou nessa. 

Nós recebemos o primeiro roteiro e ficamos tipo, "Gente, isso é incrível!", e aí nós recebemos o segundo roteiro e ficamos tipo, "É ainda melhor que o primeiro!", e aí nós recebemos o terceiro e foi assim "Como é que nós vamos nos safar dessa?!". Mas acho que se conseguirmos nos safar, será incrível.

-- Amanda Abbington



Culverton Smith é completamente diferente. Ele é o vilão mais sombrio que já tivemos. O Moriarty sempre teve algo de charmoso e cativante. O Charles Magnussen tem algo de fascinante e, na verdade, mais amoral que imoral. Mas esse cara é a maldade mais pura. Sherlock, na verdade, fica perplexo com ele. Ele é o vilão mais diabólico que já tivemos. Eu não acho que, quando você você vir, irá discordar. Ele é horrível.

Assim como Mark, eu comprava livros sobre Sherlock obsessivamente. Eu era fascinado por ele, eu achava que ele era exótico e indomável. Então agora eu acho muito sem sentido e, ao mesmo tempo, é um enorme prazer, que sempre que saem esses livros a nossa produção é a que provavelmente estará na capa. É incrível.


Provavelmente nós temos esse momento gravado. Entre tantos Watsons, Martin teve a oportunidade de fazer o teste com o Benedict. O momento em que nós vimos os dois atuando juntos pela primeira vez, soubemos que o programa estava bem ali.

-- Steven Moffat


 É tão empolgante poder voltar a cada dois anos e ver todo mundo. Você não fica muito nervosa, porque todos são seus amigos, desde o pessoal da maquiagem até o departamento de figurino. Fazer parte disso é uma coisa linda.

-- Louise Brealey


Coisas que aprendemos durante esta temporada: não grave com um bebê e um cachorro!

-- Sue Vertue


 O release de imprensa divulgado pela emissora diz o seguinte: "Sherlock espera par...



 O release de imprensa divulgado pela emissora diz o seguinte:

"Sherlock espera para ver onde Moriarty fará seu movimento póstumo. Um caso misterioso em particular deixa a Scotland Yard perplexa -- mas Sherlock está mais interessado em um detalhe aparentemente trivial. Por que alguém está destruindo as imagens da primeira ministra Margaret Thatcher? Há um louco à solta? Ou há um propósito mais sombrio por trás do trabalho? Algo cujas raízes estão ligadas profundamente ao passado de Mary Watson..."


A princípio, os fãs de Sherlock achavam que a questão de Thatcher estaria ligada à Mycroft, por ele ser um membro do governo britânico. Mas parece que é sobre Mary que iremos falar nesse primeiro episódio, cuja imprensa britânica anda declarando como "o melhor episódio de Sherlock até o momento".

Não é de se surpreender que uma ex-agente secreta que não hesita durante um segundo em fazer o que deve ser feito (ainda que isso envolva atirar friamente no melhor amigo de seu marido) tenha um passado obscuro. Mas isso significaria que Mary é uma vilã? Não necessariamente. Pode estar mais para anti-heroína, com a mesma frieza e inteligência de raciocínio que Mycroft, por exemplo, mas muito mais ativa e carismática.

Em nosso post sobre a teoria de Mary ser uma vilã, nós já comentamos que:

Sherlock acredita no amor dela por John e ambos resolvem perdoá-la. Sherlock, inclusive, chega a matar Magnussen para dar um fim às chantagens e proteger John e Mary.

Ora, se todas as informações sobre Mary estavam no pendrive que John se recusou a checar, Sherlock não teria nenhum motivo para fingir acreditar nas intenções de Mary e inclusive gostar dela. Menos ainda de matar uma pessoa por isso. Ele e Mycroft simplesmente poderiam pegá-la no mesmo instante em que foi desmascarada.

Em A Noiva Abominável, a imagem que o subconsciente de Sherlock tem de Mary não é a de vilã, mas de parceira à sua altura. Tão  inteligente quanto o detetive e seu irmão, Mary aparece trabalhando para Mycroft e acaba encontrando "o coração da conspiração" para Sherlock e John. Ela inclusive aproveita a oportunidade para implicar e ferir o orgulho de Sherlock, assim como faz seu irmão.
Tantas informações contraditórias podem dar pistas tanto para o lado de Mary anti-heroína arrependida que recebeu o perdão de John, Sherlock e Mycroft - a ponto inclusive de eles dividirem com ela suas investigações sobre casos e teorias sobre o retorno de Moriarty - quanto para Mary vilã que seria (re)descoberta na quarta temporada. Depende unicamente do ponto de vista do observador.
Em outra teoria, que especula se um certo personagem poderia morrer, nós comentamos ainda que:

Sherlock veio sendo criticada pela representação de suas personagens femininas - o que eles procuram mudar desde a terceira temporada. Como há poucas personagens mulheres, é provável que eles queiram manter Mary na série para preencher essa lacuna.

Inclusive, Mary poderia ter a mesma função narrativa que Mycroft: no último episódio da terceira temporada, ficamos sabendo que Mary é uma ex-agente secreta, uma espiã que sabe se disfarçar, investigar casos e usar muito bem uma arma. Além de ter muitos contatos dos quais não sabemos nada.

Em A Noiva Abominável, Mary demonstra ser mais rápida que Mycroft para buscar informações e ainda implica com ele sobre o sistema de segurança. Ora, não é difícil imaginar que Mary, suas habilidades e seus contatos passem a funcionar como ajuda para a dupla de detetives no futuro.

Moffat e Gatiss gostam de subverter o cânone Sherlockiano e surpreender o público. Se algum personagem precisa morrer - e todos estão esperando que seja Mary - por que não surpreender todo mundo e fazer Mycroft morrer, deixando Mary "no lugar" dele?
(Ok, nós fomos um pouco longe demais nessa.)


Um comunicado anterior da BBC, trazendo aspas de Mark Gatiss, Benedict Cumberbatch e Steven Moffat, já nos dava um panorama geral da quarta temporada:

A quarta temporada começa com nosso detetive favorito, Sherlock Holmes, de volta, mais uma vez, ao solo britânico, na companhia de Doutor Watson e sua esposa Mary, que estão se preparando para seu maior desafio: tornarem-se pais pela primeira vez.
Benedict Cumberbatch disse que ele estava "verdadeiramente feliz em estar de volta ao set de Sherlock com todo o elenco e produção. Mal posso esperar para que assistam a quarta temporada. Se bem vocês terão que esperar... embora nem tanto. E vai valer totalmente a pena."

O primeiro dos três episódios de longa-metragem será dirigido por Rachel Talalay, que já trabalhou como diretora, produtora e professora no cinema e na televisão durante mais de 25 anos, tendo dirigido anteriormente Doctor Who, The Flash e The Wind In The Willows.

Os Co criadores, roteiristas e produtores executivos da série Steven Moffat e Mark Gatiss disseram: "Quarta Temporada de Sherlock: aqui vamos nós de novo! Independente de qualquer outra coisa que façamos ou qualquer lugar que a gente vá, todos os caminhos sempre nos levam de volta a Baker Street - e sempre sentimos como se estivéssemos voltando para casa. Fantasmas do passado estão vindo atrás de Sherlock Holmes e John Watson trazendo com isso aventura, romance e terror em seus rastros. Esta é a história que estamos contando desde o início. Uma história prestes a atingir o seu clímax ... "

Curiosidade:

Um caso chamado de "As seis Thatchers" (sem nenhuma referência à Mary) já havia sido contado por John Watson em seu blog oficial em 2012. Nós traduzimos o post e você pode ler aqui.

Fotos das gravações de "As seis Thatchers" (aqui)

Estreia

"As seis Thatchers" estreia dia 01 de janeiro na BBC One (UK) e na PBS (EUA). Não haverá transmissão simultânea no Brasil. A data de previsão para estreia por aqui ainda não foi divulgada.

Quer assistir ao vivo (sem legendas) via link direto da BBC One ou da PBS? Clica aqui e saiba como.




A um mês da estreia, a BBC divulgou um novo teaser da quarta temporada: a imagem acima em format...



A um mês da estreia, a BBC divulgou um novo teaser da quarta temporada: a imagem acima em formato animado, mostrando Sherlock e John bem sérios em um 221B alagado ao som de uma música sombria.

Antes de mais nada: não é "uma piscina de sangue". É ÁGUA. Sangue não é transparente, não reflete imagens e ainda podemos ver os pés do John.

E não são apenas os pés do John que podemos ver. A imagem acima está cheia de easter eggs, que contamos pra vocês!

Para começar, algo não muito relacionado à Sherlock, mas a Steven Moffat:


É uma imagem de TinTim ali? Steven Moffat foi o roteirista chefe do filme "As Aventuras de Tintim" (Steven Spielberg, 2011) e não sabemos o motivo desta imagem estar ali. Apenas uma diversão da produção ou algum de vocês teria alguma pista para contar pra gente?

O segundo easter egg:


O livro vermelho escolhido para aparecer na imagem é Henry V, peça de drama histórico de Shakespeare. Também não fazemos ideia do motivo de estar aqui. Alguém aí sabe?

Agora vamos aos momentos sombrios:


Um guarda-chuva é visto ao lado da lareira. Um que parece ser o guarda-chuva de ninguém menos que Mycroft, a quem o objeto frequentemente é associado:


E para quem gosta de teorias, há uma bem sinistra envolvendo Mycroft, e vocês podem ler aqui.

Mesmo que o guarda-chuva em cena não esteja se referindo a essa teoria, pelo menos dá a dica de que há o envolvimento de Mycroft em alguma situação tensa e significativa. Lembram que no trailer a Sra Hudson o chama de réptil?

Além disso, na mesma imagem Sherlock olha para baixo de uma forma meio sinistra, de forma com que em seu reflexo ele apareça olhando fixamente para John (além da posição de Benedict ser um pouco estranha, deixando seu reflexo parecendo um corpo, na minha opinião)



 Para finalizar, as partituras:


O nome da música nada mais é que "Miss Me" (Sentiu a minha falta). Dando uma indicação de que Moriarty, ou o que quer que seja relacionado a ele, está de volta e dessa vez não está para brincadeiras.

Se você gosta de teorias E de spoilers bem grandes, sugerimos que leia este post aqui.

Veja o teaser animado:


Atualização:

A segunda versão do teaser traz a frase "Não é mais um jogo" em barras coloridas SMPTE (de televisor fora do ar). O que remete ao "Miss me?" de Moriarty de novo:

 

Um novo bebê no set parece pronto a desvirtuar o bromance entre Benedict Cumberbatch e Martin ...


Um novo bebê no set parece pronto a desvirtuar o bromance entre Benedict Cumberbatch e Martin Freeman, a medida que a 4 ª temporada da popular série da BBC, Sherlock, se aproxima lentamente do seu retorno à televisão em janeiro.

Um ano após o especial de Natal, os novos episódios, baseados nos contos de Sir Arthur Conan Doyle, contarão com uma nova estrela: um bebê.

"Você já sabe que eles têm uma menina", confirma o ator Rupert Graves, que interpreta o detetive Lestrade na série, "Já alguém tirou uma foto dela e divulgou na Internet ..." ele acrescenta em seguida.

Ele lança um olhar furtivo sobre a imprensa internacional em uma sala de conferências de um hotel em Londres, ao fazer menção das fotos de paparazzi vazadas (deliberadamente) durante as filmagens.

Mas, como todo mundo já espera - o bebê será responsável por uma variedade de momentos constrangedores nessa temporada. Ainda mais se levarmos em consideração que o personagem que dá nome a série, conhecido por seu caráter vagamente sociopático, já tem problemas cotidianos no que diz respeito à humanidade em geral.

Em uma entrevista separada, Benedict Cumberbatch – que recentemente se tornou pai - comentou: "Vamos deixar claro que na vida real eu lido com bebês de forma muito diferente do como lido no set. Mas não vamos entrar nesse assunto..."

"Qual dos bebês? O bebê de quem?", responde Martin Freeman.

"Havia tantos bebês no set e mudavam tanto e o tempo todo que no final tudo se tornou bastante confuso. Menino, menina, garoto, garota, eu nunca sabia quem era quem ", acrescenta. [Nota Sherlock Brasil: um casal de gêmeos foi escalado para gravar como a filha de Mary e Watson]

Amanda Abbington - que já tem dois filhos com Freeman – no papel de mãe da criança na série, ainda completou: "Pelo menos você pode devolvê-los de volta assim que acabaram as gravações. O mesmo não acontece na vida real."

“Mas isso acaba nos unindo um pouco no primeiro episódio", diz a atriz Louise Brealey, que interpreta a patologista Molly Hooper.

E não se preocupe, ela tranquiliza a todos os presentes - "eles não exageram nas piadas sobre fraldas".

Porém, apesar de todas as brincadeiras envolvendo mamadeiras e jatos de xixi, a quarta temporada da série é supostamente a mais sombria - “muito, muito sombria, de fato”, completa Graves.

"Eu tive arrepios enquanto lia o roteiro. E isso é algo que realmente não acontece com muita frequência”, completa.

Os teasers que já saíram deixam em aberto o enigma se Moriarty está de volta para se vingar. Mas muito além disso, beira uma sinistra e assustador onda de terror.

No trailer, uma voz sussurra: "Algo está chegando. Os caminhos pelos quais andamos têm demônios por baixo deles".

Cumberbatch ressalta que "não seria tão satisfatório se ainda estivéssemos fazendo as mesmas coisas com as quais começamos".

"Nós continuamos tentando surpreender a nós mesmos e ao nosso público. O nível de invenção, imaginação, obscuridade e alegria... existem muitos momentos sérios, mas que, ainda assim, eles conseguiram transformar em algo divertido. Tem algo ainda de muito humano sobre isso."


Se preparando para encarnar o papel pela quarta vez, o ator comenta que ele teve que "continuar aprendendo a fazer coisas novas". Citando a falta de memória fotográfica, ele diz que lutou no set para simplesmente se tornar uma pessoa repugnantemente inteligente, embora com uma ou duas recompensas.

"Eu não aprendo naturalmente, preciso me esforçar bastante e sinto o meu cérebro um pouco mais sutil e capaz quando o estou interpretando.

"Seja através de músicas ao piano ou de aprender mais francês, sinto-me mais alerta, mais atento", explica. Há também outros tipos de recompensas. "A minha mãe diz que eu fico muito mais brusco com ela quando eu estou filmando Sherlock."

Talvez seja esse um dos motivos pelos quais o público que assiste, aguarde com expectativa pelas falas ríspidas e grosseiras que o exacerbado e arrogante personagem-título dirige a todos, principalmente ao pobre Watson

Na verdade, para aqueles que gostam da série por conta da relação de amor-ódio maravilhosamente existente entre Sherlock e Watson, pode ficar tranquilo que este elemento vai permanecer na nova temporada.

Cumberbatch diz: "A natureza chocante da amizade entre os dois é combustível sem fim para esse grande drama. Isso é provavelmente mais acentuado do que nos originais" e acrescenta: "E é aí que está a questão: eles são um dupla singular. Há um ponto em comum que é o perigo. A atração do perigo."

E é o perigo que expõe – por fim - a própria falha e humanidade de Sherlock. Sim, o homem comete erros. Cumberbatch argumenta: "Seria incrivelmente entediante se ele fosse permanentemente um herói incrível, que sempre acertasse tudo. Os episódios se limitariam simplesmente a desbravar a estupidez de outras pessoas enquanto confirmamos que ele está sempre certo".

Por Olly Richards A quarta temporada de Sherlock começa com um grande buraco. Um buraco no for...


Por Olly Richards

A quarta temporada de Sherlock começa com um grande buraco. Um buraco no formato de Moriarty. O velho antagonista de Sherlock definitivamente se foi. "Moriarty está morto", diz o cocriador da série, Steven Moffat. "Ele deu um tiro bem na cabeça. Ele está morto". Mas isso significa que Sherlock precisa de alguém novo para bater nas paredes de seu palácio mental. No set de Sherlock, em uma noite escura e (artificialmente) chuvosa, não há nenhum sinal desse novo vilão. Mas em algum lugar Culverton Smith (interpretado por Toby Jones) se locomove sorrateiramente. Moffat o chama de "o vilão mais sombrio que já escrevemos".

Nas histórias, Smith era um envenenador que matou seu sobrinho e tentou dar um fim em Holmes. Na série de TV, ele é um personagem bem quieto, pelo menos na superfície. "Ele é muito irritante", diz Moffat. "Espero que Toby não se importe que eu diga isso, mas ele é um homem baixinho que, mesmo assim, consegue provocar uma enorme ameaça física. Ele exala uma grande ameaça". Mark Gatiss complementa, "Ele também é extremamente engraçado. A oscilação entre ambas as coisas pode ser apavorante."

Os últimos três episódios da série também apresentam um novo, bem pequeno, membro do elenco: um bebê para John e Mary Watson. "Isso inevitavelmente muda o relacionamento entre John e Sherlock", diz Martin Freeman. "Para John, como você pode imaginar, ninguém pode ser mais importante que sua esposa e filha". A reação de Sherlock a essa nova integrante é, segundo Cumberbatch, de "uma leve indiferença".

Ainda que ninguém espere que essa seja a última [vez que vemos] Sherlock Holmes, esta temporada irá "trazer muitos acertos de contas", diz Cumberbatch. E nem todos eles serão felizes. Ainda que o novo bebê traga alegria, essa alegria não será duradoura. "Esta será uma das jornadas mais penosas para Sherlock e John", diz Moffat. "Nós os levaremos a situações extremamente dolorosas desta vez".


Fonte: Sherlockology

Update, 21 de novembro: atualizamos o título com as informações corretas sobre a transmissão no c...


Update, 21 de novembro: atualizamos o título com as informações corretas sobre a transmissão no cinema

***

Ao anunciarem os títulos dos episódios (ou telefilmes) da quarta temporada de Sherlock, a produção deixou o terceiro como segredo. Como bons fãs da série, ficamos todos intrigados e diversas teorias passaram a pipocar aqui e acolá.

A única pista concreta que tínhamos foi aquela dada durante a Comic-Con de San Diego: Sherrinford. Sim, este nome esquisito, o primeiro nome que Arthur Conan Doyle cogitou dar para Sherlock Holmes e que, desde então, muitos fãs do cânone sugerem em suas teorias e pastiches se não seria um terceiro irmão perdido/oculto (que jamais foi mencionado nas histórias originais).

Não dá para saber o que eles querem nos dizer com isso.

Mas eis que como bons discípulos de Sherlock Holmes, uma pessoa encontrou no IMDB Pro o currículo de um dos operadores de câmera do episódio dirigido por Ben Caron. E lá estava o título:


O PROBLEMA FINAL.

Quê? "O problema final"? Para quem não sabe, O Problema Final é o conto em que Sherlock e Moriarty se enfrentam pela primeira e última vez, nas Cataratas de Reichenbach. Este foi o conto em que Doyle queria acabar de vez com Holmes, fazendo com que ele desaparecesse/morresse. Os fãs vitorianos não gostaram nada dessa história, e muitos anos depois (especula-se que por problemas financeiros), Doyle não viu outra alternativa senão trazer Holmes de volta dos mortos. Ele ainda tentaria dar um fim às histórias de Sherlock Holmes outras vezes, até decidir aposentá-lo em uma fazenda como criador de abelhas.

Em referência a esse fatídico conto, Moriarty fala várias vezes no "problema final" entre ele e Sherlock no episódio "A Queda de Reichenbach" e já sabemos como isso termina. Ou como não termina, já que a figura de Moriarty ressurge de maneira sinistra no terceiro episódio da terceira temporada, "Seu último juramento".

É importante também ressaltar que: não há confirmação de que este seja o título real do episódio. Pode ser um nome fantasia, por exemplo. Pode ser falso. Pode ser verdadeiro. Ainda não se sabe.

Mas é bom ficar de olho, já que um título como O Problema Final pode ser uma sugestão de que a série vai mesmo entrar em hiato por tempo indeterminado, como Steven Moffat, Mark Gatiss e Benedict Cumberbatch já vinham nos avisando.

Informação de última hora: este episódio será transmitido em dia único nos cinemas britânicos em cinema americano no dia 18 de janeiro. A transmissão contará ainda com 20 minutos extras de imagens de bastidores e entrevistas com elenco! Fonte: aqui 

Note: este é um evento ÚNICO, que acontecerá APÓS A TRANSMISSÃO NA TV. E não tem quase nenhuma chance de passar no Brasil.



***

Dito isso, agora quem está a fim de embaralhar um pouco a cabeça?

No especial A Noiva Abominável temos algumas pistas sobre o fato de que Sherlock sabe o que pode estar acontecendo a respeito do retorno de Moriarty. A solução para o caso da noiva pode estar diretamente ligada à solução para este caso (quem não se lembra, corre pra assistir!).

Sabemos que a explicação para o caso de Moriarty deve ser dada no início da quarta temporada, em "As seis Thatchers". Mas lembrem-se: Benedict Cumberbatch contou que dessa vez a série será como uma história única contada em três partes.

E se você não quer spoilers dos grandes deve terminar de ler esse post agora mesmo.









Para quem continuou até aqui, uma recapitulação rápida, para que você possa acompanhar com a gente:

Em T2E3: A Queda de Reichenbach, Sherlock e Moriarty precisam resolver "o problema final", que resulta na morte de Moriarty e em um plano mirabolante de Sherlock para fingir seu suicídio;

Em T3E1: O Carro Fúnebre Vazio, Sherlock aparece de volta, depois de passar dois anos escondido tentando desfazer a teia de Moriarty.

Em T3E3: Seu Último Juramento, Sherlock é chamado para lidar com Charles Augustus Magnussen, não só uma ameaça ao governo como também uma ameaça à vida de pessoas que são queridas para Sherlock: John e Mary. Vemos aqui Sherlock se transformar em um assassino, ainda que em uam espécie de "legítima defesa", ao atirar em Magnussen. Sherlock é exilado. Sherlock retorna de seu exílio devido ao retorno de Moriarty - que pode ou não ser o vilão em pessoa - a pedido do governo britânico.

Lembrem-se: ninguém disse, até agora, que o perdão foi concedido a Sherlock. E não sabemos ainda o que pode acontecer caso ele falhe.

Em A Noiva Abominável, acompanhamos a viagem pela cabeça de Sherlock, buscando em um caso do século 19 uma explicação para Moriarty estar de volta.

No trailer da quarta temporada, vemos novamente os mesmos membros do governo no caso Magnussen preocupados com alguma situação tensa que está acontecendo.

No mesmo trailer, vemos também esta cena:


Esta cena se refere ao terceiro episódio da quarta temporada. O mesmo que estão dizendo que se chama O Problema Final.

E de quem são essas costas?

Dele mesmo. Moriarty.


E que lugar é esse?

Uma ilha. Uma ilha em que há uma fortaleza.

E nessa fortaleza há nada menos que...uma bandeira! Uma bandeira que a mídia reportou como sendo da organização/família de Moriarty.


Seria esse o brasão:






Mas há gente que está um pouco cética em relação a isso (aqui).

Um outro fato intrigante:

Louise Brealey, a Molly, postou uma foto das filmagens nesse mesmo local e dia em seu Instagram:








Lembrando ainda que Benedict Cumberbatch e Martin Freeman foram vistos gravando em um barquinho. Não sabemos o quão relacionadas a essa ilha estão aquelas filmagens, mas as chances são altas (já que as imagens podem ser montadas depois, na pós-produção).







Mais algumas imagens das filmagens na ilha:







Será que Moriarty estava vivo esse tempo todo e fingiu sua morte? Será um braço-direito? Um irmão (pista: Sherrinford)? Mas Sherlock já nos disse que nunca são irmão gêmeos...

Será palácio mental? Uma fantasia na cabeça de Sherlock muito sofisticada, que incluiria uma fortaleza, helicópteros, homens armados e...Molly?

Se é assim, então para onde Sherlock e John estariam indo de barco? Isso faria parte do Palácio Mental também?

Poderia ser, já que a produtora Sue Vertue disse que eles não gravariam spoilers na frente de todo mundo...

Mas então, porque Sherlock estaria acionando seu Palácio Mental a respeito de Moriarty (e fortalezas, e helicópteros etc.) NO ÚLTIMO EPISÓDIO e não no primeiro?

(Filmagens falsas estão fora de cogitação)

Será que mais uma vez Sherlock e Moriarty, ambos muito vivos, se enfrentarão para o derradeiro problema final?

Qual a sua teoria?